MATÉRIAS

PARKER 75

PARKER 75

No princípio dos anos 60, com o objetivo de atingir novamente o mercado das canetas de luxo, fatia significativa do mercado, Kenneth Parker, filho do fundador da Companhia, convocou seu “designer” Don Doman a desenvolver uma nova linha que combinasse várias características das criações passadas da Parker.

Era necessária a definição da aparência externa e do material a ser utilizado. Havia a intenção de se criar algo totalmente novo e que nunca anteriormente houvesse sido utilizado como linha por outras concorrentes. Optou-se pela prata, visando o público de alto nível, numa concentração de alto grau de pureza (92,5%).

Como acabamento, optou-se, após pesquisa de padrão, pelo famoso quadriculado (crosshatch) encontrado na época em vários objetos de uso masculino, principalmente em cigarreiras. Para acentuar o padrão, as linhas foram preenchidas por esmalte preto e adicionados clip e botões dourados para fazer o contraste. A aplicação do esmalte foi posteriormente abandonada e a própria oxidação da prata escurecia os vincos do quadriculado.

Nasceu assim a Parker 75 que  foi lançada em 1964 a U$ 25.00 a unidade, logo após o 75º aniversário da Companhia.

Nos anos que se sucederam, a Parker 75 foi fabricada em uma grande quantidade de padrões e acabamentos. Foram produzidos cerca de 11 milhões de canetas em mais de 30 anos de fabricação. A partir de 1968 a Parker 75 foi produzida também na França  e muitos modelos foram desenvolvidos e fabricados somente naquele país.

Sempre inovando e comprovando sua característica de pioneirismo, antecipando a atual “moda” das “Edições Limitadas”, a Parker lançou em 1965 a primeira caneta com produção limitada do mundo (4.821 peças) a SPANISH TREASURE CISELÉ, uma Parker 75 fabricada com prata recuperada de um naufrágio, do galeão espanhol ATOCHA, naufragado em 31 de julho de 1715, na costa da Flórida, lançada a  U$ 75,00.

A título de organização, podemos agrupar as Parker 75 conforme segue (baseado nas canetas tinteiro):

Americanas (1964 – 1983)

-         Crosshatch ou Ciselé (1964)  – prata 925 e vermeil (banho de ouro sobre prata).

Há referência da existência da caneta Crosshatch em ouro maciço 14 k.

-         Insígnia (1965) – crosshatch em latão banhado a ouro 14 k. Existe variante com profundidade de usinagem maior (mais fundo).

-         Keepsake (1967) – prata lisa; bastante rara e desejada pelos colecionadores.

-         Presidential (1967) – ouro maciço 14 k, lisa.

-         Ambassador (1970) – prata 925 com linhas paralelas longitudinais preenchidas por esmalte preto.

-         Flighter (1970) – aço inox com clip dourado, as primeiras, com fino anel dourado rebaixado na tampa.

-         Rainbow (1970) - metal banhado com acabamento fosco, em 3 ou 4 tipos de ouro formando ondas, na tampa e no corpo, no já conhecido padrão Rainbow (lançado na Parker 61).

-         Imperial (1976) – grupos alternados de 5 linhas bem próximas e um espaço maior, em metal com banho de ouro 22 k.

Francesas - (1968 – 1993)

-         Ciselé (1968) – idêntica à americana crosshatch porém com menor quantidade de prata (15 gramas em lugar das 20,5 originais) e obviamente inscrições francesas.

-         Insígnia (1968) – tal qual a americana, banho de ouro sobre metal, com as inscrições francesas.

-         Diamante (1968) – metal dourado com motivo tipo bico de jaca.

-         Flammé (1968) – disponível em metal banhado em prata ou banhado em ouro com desenho formado por várias linhas curtas repetidas longitudinalmente sugerindo o desenho de chamas.

-       Godron (1968) – 23 linhas paralelas e profundas em forma de “V”, longitudinais. Disponíveis em banho de prata, banho de ouro, prata maciça e ouro maciço 18 k.

-         Grain d’Orge (1968) – acabamento tipo “barleycorn”ou “guillochet”, disponível em banho de ouro e banho de prata.

-         Ecosse (1968) – acabamento tipo buril com linhas curvas em forma de ondas, comercializada em banho de prata e banho de ouro.

-         Prince de Galles (1970) – também chamada de tecido escocês, lembrando justamente o tecido usado na Escócia para a confecção dos famosos  “Kilts”.

Disponível em dois padrões diferentes de espaçamento das linhas finas e grossas transversais, ambas em banho de prata e banho de ouro.

-         Guirlande (1970) – acabamento em linhas muito finas paralelas com losangos em guillochet mais grosso, extremamente raro e desconhecido até recentemente. Disponibilizado em metal banhado a ouro e metal banhado a prata (?).

-         Milleraies (1970) – padrão com linhas paralelas bem próximas (daí o nome “mil raios”), disponível em metal com banhos de ouro e metal com banho de prata.

-         Perlé (1970) – mesmo padrão anterior acrescido de pequenas gotas usinadas e espaçadas regularmente, disponível em metal com banho de prata e com banho de ouro.

Há referência da existência deste modelo em ouro maciço.

-     Laca ( 1979) – acabamento em laca sobre latão, padrões:

-           “Woodgrain” – lembrando madeira com veios.

-           “Malaquita” – verde com faixas pretas longitudinais.

-           “Tortoiseshell” – lembrando casco de tartaruga;

-           “Red quartz” – em laranja vivo com manchas  escuras, lembrando a pedra quartzo.

-           “Lápis lazuli” – em  duas  versões, com pontos brancos esparsos e com pó de ouro incorporado.

-            “Thuya” – em marrom escuro com veios mais claros, similar à “Woodgrain”, lançada posteriormente (1981).

Durante os primeiros anos de produção, estas canetas em laca possuíam junto à borda da tampa, a “assinatura” dos artesãos chineses que as produziam, em vermelho. Alguns "experts" referem-se a essas assinaturas como um grupo de simbolos que em chinês  seriam lidos com o mesmo som da palavra Parker o que è bastante provável pois aparentemente os simbolos são sempre os mesmos.

Além da linha acima, foram produzidas canetas em laca lisa das quais podemos destacar: vermelha, preto brilhante, preto fosco, vermelho fosco (rara) e outras não muito documentadas e às vezes citadas como testes de fábrica, tais como, cinza, azul marinho, cortiça, etc.

Linha Place Vendôme - metais preciosos

-         Damier (1980) – linhas profundas horizontais e verticais, formando retângulos alongados, comercializadas em prata maciça, vermeil (ouro sobre prata) e ouro maciço.

-         Florence (1980) - três linhas paralelas alternadas com espaço liso, comercializadas em prata maciça, vermeil e banho de ouro sobre metal.

-         Filette (1980) – 16 linhas paralelas e profundas, longitudinais em forma de “V” longitudinais, comercializadas em prata maciça.

-         Fougere ou Chevron (1980) – filas contínuas de setas alternadas por faixas planas, comercializadas em prata maciça, vermeil, banho de prata e banho de ouro.

-         Grosse Côtes (1980) – 8 linhas paralelas sobre prata maciça lisa (oito raios), bastante rara.

-         Custom (ou cabochon) (1991) – as únicas canetas Parker 75 com corpo de laca e tampa dourada, disponíveis nas cores: azul, verde, preta e vermelha.

 

Notícias
*********JOTTERMANIA******** *********JOTTERMANIA********
Visite a nova seção  em PARKER dedicada somente às famosas esferograficas JOTTER. Em breve mais inserções de modelos desse ícone da marca.
Leia mais
Matérias
Clip Estrela das Rajadinhas Clip Estrela das Rajadinhas
Você sabia que o cobiçado clip “estrela” das Parkers Vacumatic (rajadinhas) só foi produzido durante o an
Leia mais
Vitrine
Conheça as nossas redes sociais facebook Instagram
Copyright © 2019 pensforever. Todos os direitos reservados